PROJETO DE PESQUISA TAMBORADA

O Projeto Tamborada nasce da pesquisa do artista Kako Xavier, sendo muito mais do que um projeto de música. É um projeto que une pessoas, que cria e fortalece relações, que está presente nas escolas e na estrada, que leva por onde passa a bandeira do amor e a história dos tambores negros do Rio Grande do Sul. 

Idealizado pelo artista Kako Xavier em 2009, a partir de um desejo de que a música possa contribuir na aceitação e reconhecimento do povo negro como parte integrante do RS, exaltando a beleza, a força e a história deste povo no RS. Em 2011, Kako Xavier mostra a força deste projeto criando o “Bailão Cultural” e possibilitando apresentações na cidade de Pelotas e região. Em 2012, Kako Xavier se dedica ao estudo mais aprofundado da história dos tambores e entra para o Grupo de pesquisa Alabê Ôni, que resulta em 120 apresentações por cidades de todos os Estados do Brasil, era o “Sonora Brasil”, realizado pelo SESC, também participou de intercâmbios culturais, agregando mais conteúdo e consistência ao Projeto Tamborada.

 

Em 2013, o Bailão Cultural foi levado para Porto Alegre com participação de outros grupos tamboreiros do Estado como: Alabê Ôni, Três Marias, Maracatu Truvão, Mainô - Canto e Tambor, La Uruleyra, Chama Violeta e outros. O Projeto Tamborada foi então conquistando espaço e reconhecimento, sendo selecionado, em 2015, nos editais Pró Cultura FAC-RS e Pró Cultura Municipal - Pelotas, ecoando o som dos tambores e a história do povo negro pelas escolas do RS. 

Também neste ano vive um grande momento participando do Acorde Regional Brasileiro, onde realiza seu show ao lado de grandes nomes como Renato Teixeira, Quinteto Violado, Orquestra Villa Lobos entre outros, este festival foi transmitido ao vivo pelo canal TV Brasil e fez parte do saudoso programa Nação da TVE/RS.  

 

Em 2017, o artista Kako Xavier leva o Projeto para o Festival do Cooperativismo de São Sepé, ganha o prêmio de Primeiro Lugar do Festival e retorna à Pelotas em clima de comemoração: Um show na Colônia Z3, dos pescadores no Laranjal, uma grande festa no Projeto Sete ao Entardecer com a participação de diversos grupos de tambores e artistas da percussão da cidade, resultando em uma grande foto/momento que ficou conhecido como “O mar de Tambores”. Kako Xavier recebe um título de reconhecimento, “Honra ao Mérito Mestre Batista”, pelo trabalho de valorização da presença negra na cidade. 

No ano de 2018, Kako Xavier e a Tamborada grava o CD, “Agora Somos Nós”, o lançamento acontece num inesquecível show na Biblioteca Pública Pelotense, participa e ganha como Melhor Música na opinião popular no Festival Moenda da Canção.

Acontece o Gaitas e Tambores, quando o artista leva o seu projeto para conhecer a Fábrica de Gaiteiros, na Barra do Ribeiro/RS, acontece um encontro mágico da Tamborada com os Pequenos Gaiteiros e o artista Renato Borghetti. Retorna ao palco do Festival do Cooperativismo, agora em Pedro Osório, também levando o prêmio de Melhor Música na opinião popular. Para fechar este grande ano, participa da Virada Cultural, em Pelotas, momento onde a cidade foi declarada como “A Cidade do Tambor de Sopapo”, com decreto assinado e entregue em mãos para Kako Xavier pela prefeita Sra. Paula Mascarenhas. 

O ano de 2019 o projeto completa 10 anos, segue sendo de boa colheita e reconhecimento para o projeto, que inicia o ano tocando no Réveillon na praia do Laranjal, participa da gravação de um filme “Despedida”, que ainda não foi lançado, ganha como Melhor Música na opinião popular no Festival Tafona da Canção, em Osório/RS. Ainda neste ano, vai ao palco da Moenda em Santo Antônio da Patrulha, um grande show em comemoração aos 25 anos de carreira de Kako Xavier. Uma bela, consistente e premiada caminhada, e ainda com muito a realizar. Os sonhos de Kako Xavier e os integrantes da Tamborada são grandes e vão levar este projeto cada vez mais longe.

 

Neste ano de 2020, Kako Xavier e a Tamborada prepara o começo da nova década com a gravação do álbum ..., onde canta a beleza e honra a cultura dos povos originários, enaltecendo os traços indígenas, e faz também um convite à reflexão das nossas relações humanas e atitudes. Prepara o lançamento do Projeto Tamboradinha, lança o Programa “Tamborada em Quarentena”, programa de WebTV que conta a história do Projeto Tamborada neste período de isolamento e se dedica ao seu próximo projeto, “Intercâmbios Tamborada”.

 

Ainda em 2020 o Projeto Tamborada continua abrindo as portas da Casa do Tambor para as oficinas e visitas das escolas públicas, uma ação totalmente voluntária, fortalecendo a possibilidade do tambor ser um elemento de reagrupar famílias dentro do ambiente escolar, envolvendo alunos, professores e famílias.

 

O ano recém começou, e os planos de se agrupar cada vez mais com os encantos e as batidas dos tambores negros gaúchos e sua história estão mais vivos do que nunca, seguindo a trajetória marcante do projeto Kako Xavier e a Tamborada. 

Faça parte da nossa lista de emails